quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

O meu bairro tem 800 anos!

Núcleo histórico de forte influência árabe, com uma população envelhecida e proveniente dos estratos sociais mais desfavorecidos da sociedade, o bairro de Santiago confronta-se hoje com o mesmo tipo de problemas que outras zonas históricas por essa Europa fora: dificuldade de reconstrução urbana, dificuldade de mobilização social e dificuldade em atrair investimentos locais ou regionais.
As casas, na sua maioria, são pequenas, sem ventilação e não apresentam condições básicas de saneamento. Os chamados “quartéis” são o melhor exemplo do que não deve ser a habitação social. Em condições sub-humanas existem famílias que se amontoam numa ou duas divisões sem quaisquer condições de salubridade.
O outro problema, mais geral, é o de urbanismo e de desenvolvimento, numa zona deprimida e marginalizada, como esta. A população do bairro é fundamentalmente constituída por desempregados, idosos e pessoas que possuem poucos recursos, quer económicos, quer culturais. Estes são os principais problemas a apontar, mas existem outros… Os parques de estacionamento estão a perder terreno para as ervas daninhas e o empedrado abre buracos cada vez maiores devido à falta de manutenção.
Este bairro possui, ainda, inúmeros locais onde é possível proporcionar aos moradores e visitantes amplas zonas verdes de onde se poderia contemplar a magnifica paisagem, no entanto, estas zonas de lazer não existem. As únicas zonas verdes que existem são extensões imensas de ervas daninhas…
O Bairro teve, até hoje, duas alturas em que floresceu e se desenvolveu, referimo-me à época de construção da Torre e primeira coroa de muralhas (1223 – 1248) e, já após a Restauração, a construção das muralhas, portas e baluartes (a partir de 1642). O facto de as Portas de Évora nunca terem sido acabadas é uma curiosidade premonitória, já então o Bairro de Santiago era o mais desfavorecido e abandonado…
Actores involuntários deste teatro medievo, os habitantes do bairro de Santiago esperam e desesperam por melhores dias!!!

Em tempos, nestes dois locais existiram uns parques!!!
(Com tanto polidesportivo que fizeram pela cidade será que no Bairro de Santiago tiveram falta de espaço????)









Brevemente haverá "mais Santiago" com entrevista a moradores.

7 comentários:

Anónimo disse...

Qual é o residente deste bairro que pode dizer que ainda não foi alvo de atitudes xenófobas ou até racistas?
Gostaria de saber porque é que este bairro é sempre preterido em relação às outras zonas da cidade. Um senhor dizia e tinha razão "Estremoz não é só o Rossio"

Anónimo disse...

Morei neste bairro durante 25 anos, mas por razões de trabalho tive que sair de Estremoz. Finalmente, e ao fim de tanto tempo, alguém tem a coragem de falar sobre os problemas que existem neste bairro. Já é hora de alguém olhar para ele antes que seja tarde de mais.
Parabéns Jorge

Anónimo disse...

Sei que a Câmara não assinou um protocolo de transferências de competências com a Junta de Sto. André e acredito que, actualmente, não tenha verbas. Isto nos últimos 3 anos… E antes? Porque é que a junta não fez nada?
Sei que o cargo de presidente de junta não é a tempo inteiro, mas não pode ser considerado um hobby ou como mais uma forma de ganhar uns trocos…

cm disse...

Já percebi que o jorge pereira começa a ser uma pedra no sapato para algumas pessoas ai em estremoz!Será pelo trabalho que fez no jornal ecos? será pelo trabalho que está a fazer no brados? o que é certo é que ele tem metido o dedo em muitas feridas e isso deixa algumas pessoas menos contentes mas a verdade é que ele tem a coragem para o fazer. o que só quer dizer que está na profissão certa. se alguem tiver duvidas é só pegar no brados de á uns meses atrás e no ultimo que saiu e veja a diferença. quanto ás pessoas que se sentem incomodadas só lhes posso dizer que quem não quer ser lobo não lhe vista a pele. em relação ao senhor jorge, só posso dizer que está no bom caminho, a verdade é para ser dita doa a quem doer(nem que seja ao presidente da camara!)parabens pelo blog. M......

Anónimo disse...

Concordo e reparto a responsabilidade do estado a que chegou o Bairro de Santiago por:
Autarquia - que pouco ou nenhum investimento tem feito ao longo de décadas no bairro.
Junta Fr. Sto André - que prefere fazer casamentos em vez de investir num espaço da sua responsabilidade.
Parte da população - que é pouco acolhedora e por vezes hostil a pessoas estranhas ao bairro.
Quem perde somos todos nós!

Anónimo disse...

brevemente: luvabrancadeestremoz.blogspot.com

Anónimo disse...

Como se pode ser acolhedor.. se não se tem nada para oferecer nem para eles, sejamos sinceros... em relação ao Jorge talvez agora tenha aberto os olhinhos... enfim não tenho nada a ver com isso!! em relação á junta de Santo André não tem dinheiro??? como é que pensam que qas freguesias das aldeias sobrevivem e tem muito menos que santo andré e teem cemitério e tem tanques e balneários e limpezas e caiações e almoços de crianças para cuidar e escolas para cuidar e fornecer ... com protocolos minimos, e de financiamento do governo menos de metade de Santo André... pois Casamentos saiem caro!!! e Santiago esquecido, pobre e sujo!!! não combina com a Baixa de Sto André !